– Stephany , onde você, realmente mora? Sabemos, que é em Embu Das Artes – SP, mas especificamente que lugar?

– Bem, como vocês sabem, se me acompanham no blog, Embu Das Artes – São Paulo… mas eu moro de frente com uma favela é um bairro na periferia.

– Sério, isso é maluco.

Se sei bem, muitos vão falar e se não falar vão pensar, que favelada, diz que vive de frente da favela, mas deve morar sim na favela ou nossa deve ser tão perigoso que coisa maluca, nunca imaginei que você morasse tão próximo de uma favela.

E na verdade eu entendo esse questionamento, antigamente eu morava no bairro vizinho, Taboão Da Serra e sem nenhuma favela, mas não poderia chamar aquele lugar de meu lar era muitas brigas familiares que não nos queria vivendo lá, então estamos aqui. Bom, para aqueles que não sabem muito sobre favelas em São Paulo ou até mesmo no Rio e dentre outras favelas no Brasil e no mundo a idéia de morar na favela ou nas redondezas dela pode ser um tanto que chocante. No entanto, a realidade é um pouco diferente. Algumas favelas passaram por vários processos, como pacificação (primeiro) e gentrificação (depois) que tornaram esses lugares “seguros” para todos e até mesmo estrangeiro, falo isso pois meu noivo americano está exatamente 1 ano e 2 meses aqui vivendo comigo e no ponto de vista dele, a favela não é diferente como a dos Estados Unidos, somente as casas que são grudadas com as outras pois aqui temos barracos ou lajes isso não tem e a diferença quando se chega drogas não começam a atirar pro alto e sim, soltam pombas pra avisar.

Primeiro, se quer entender a realidade das favelas. Primeiro eles foram construídos ilegalmente pelos próprios moradores e mais pobres, que precisavam de um lugar para morar. E esse processo de construção tem a ajuda dos próprios familiares ou vizinhos, aqui aonde eu moro você paga por isso, tudo vem mudando com o tempo. Você encontra quem sabe fazer essas casas. Então, sim, a infraestrutura são sim precárias, e o acesso? Ele é difícil e nem vamos falar do planejamento urbano pois é meio que inexistente. Eu não quero falar sobre história de como era diferente ou tempo de escravidão, pois acho que não sou nenhuma professora e nem tenho que te explicar nada disso, mas ainda existe e pelo jeito ainda vai existir diferenças sócias e o racismo ainda tecla forte que tô ouvindo aqui tão alto que tô ficando surda. E só pra não esquecer a favela tem muito cidadão branco, não é só negro que reside em favelas, mas se você me questionar, vou dizer que o negro é que sofre as consequências mais drásticas.
Pelo que você já deve saber, as favelas são comandas pelos seus narcotraficantes isso pelo que sei aonde eu moro não vejo mais, mas a favela sempre será favela, hoje está mais tranquila, mas de vez enquanto é notícia no Datena e o bairro é mencionado pelo Racionais Mc’s.

Essa lutas que você só vê em filme que tem guerra de favelas para conseguir mais território, antigamente era terrível aqui, e adivinha o nome que era essa favela do Jardim Santa Tereza? Sim, favela do inferninho, era tiro e os caras pulando na laje de suas casas, cena de filme e a população em choque; graças ao bom Deus e ajuda da polícia, teve “fim”. A polícia tem em sua menoria tem seus policiais que se corrompem, isso também não é novidade pra ninguém.

Antigamente tinha muita festa de baile funk, muitos jovens e crianças fechavam as ruas nos finais de semana ou recentemente tentaram fazer isso e a maioria das pessoas que moram perto foram impedidos de passar até que a polícia veio acabar com a bagunça.
A favela é famosa por suas música, sua cultura e danças. A cultura da favela está em outro nível. Isso pelo motivo está quando você passa pelas vielas das favelas, você encontra bares com música alta e pessoas jogando baralho e dominó, pessoas bebendo cerveja na laje ou nas ruas o tempo todo, garotos jogando futebol na suposta e antiga rua sem saída, crianças pequenas que aprende com os mais velhos a jogar dominó ou brincando nas favelas e correndo por ela, as vezes tem alguns eventos de moradores que faz capoeira, a favela tem frutos de muitos jovens que foram estudar em Harvard, crianças que buscam educação e não o mundo do crime e das drogas, jovens sonhadores e que quer voar alto.

Em cada pessoa que você repara, você tenta imaginar oque elas pensam, gosto muito de sentar nos lugares e observar as pessoas a minha volta e escrevendo esse post, me vem a lembrança quando vim morar aqui, pois uma das crianças saiu da favela correndo com outras crianças brincando de polícia e ladrão…Ao mesmo tempo que é estranho é tão peculiar; quando terminamos de arrumar nossa mudança na nova casa , eu e irmãos com meus primos(as) fomos brincar da mesma brincadeira, pois um dia assistimos na Tv, então, corremos para aquela viela escura e iluminação amarela, essa lembrança ainda aqui, como se fosse ontem, me lembro perfeitamente. Eu vejo beleza nesse lugar, eu sei o lugar aonde eu piso, aquele lugar por mais assustador que posso parecer, tem dentro dele esperança para cada criança que nasce naquele lugar,

guarda um sonho em cada um, que é passado de pai pra filho, um futuro melhor, que daquele lugar que é considerado tão feio, um lugar esquecido pela sociedade,saia frutos de um futuro promissor.
Tirando a música alta, a vizinhança é limpa, tem trabalhos voluntários, as pessoas estão prontas para te ajudar, tem sim suas fofocas mas acredito que todos torcem pelo seu bem, sempre tem um vizinho ajudando o outro, ou orando pelo outro, pessoas de várias religiões e com pensamentos diferentes mas a favela está em harmonia, se eu escrever oque eu penso, não vai dar um livro, queria compartilhar um pouquinho da experiência que vivi e ainda vivo aqui, teve experiência traumáticas mas depois veio finalmente seu momento de pacificação.
A favela tem uma história por trás dos barracos feios o casa estranhas, ela tem sua beleza e simplicidade e luta, cada parede tem muitas histórias para contar, se cada uma delas pudessem falar, mas no olhar de cada criança, jovem adulto e velho vemos que ainda se tem esperança em cada olhar.

Espero que tenham gostado do post e que se sintam em casa para se inscrever no meu blog.